Materiais

Seguindo seus princípios de divulgação e disseminação de materiais confiáveis e que ofereçam suporte à prática clínica e à tomada de decisão compartilhada, nessa página o grupo Chronide disponibilizará informações para entender os projetos internos, artigos e cursos selecionados que podem lhe auxiliar na compreensão dos assuntos

O que você procura?

Informações

Informações - Chronide

Cursos

Cursos - Chronide

Ferramentas

Artigos - Chronide
Site Chronide 8.png

INFORMAÇÕES

Diretriz Clínica

O que é e para que serve?

São documentos que contêm recomendações para otimizar o cuidado em saúde oferecido aos pacientes, formuladas a partir de uma revisão sistemática das evidências e análise de riscos e benefícios das intervenções para cada condição clínica de saúde, além de outros fatores associados ao contexto local.

Destacamos aqui alguns dos importantes objetivos das diretrizes clínicas:

a) tornar as decisões clínicas mais objetivas diminuindo a variabilidade clínica,

b) educar pacientes e profissionais sobre a melhor prática atualizada;

c) melhorar a relação custo-efetividade dos cuidados em saúde.

Dependendo do país no qual o documento é produzido, ele pode ser chamado de distintas maneiras.

Em inglês, o termo usado é clinical practice guidelines.

Em países de língua espanhola, as diretrizes clínicas são também conhecidas como Guías de Práctica Clínica (GPC) ou guidelines.

Em Portugal, diretrizes clínicas recebem a denominação Normas de Orientação Clínica (NOC).

No Brasil, ouvimos os termos Diretrizes Clínica e Guias de Prática Clínica.

 

Cabe salientar, entretanto, que Diretrizes Clínicas não são sinônimos de Protocolos Clínicos.

As Diretrizes Clínicas fazem recomendações, não são impositivas, preservam a autonomia na tomada de decisão.

Já os Protocolos Clínicos podem ter estrutura semelhante às DC mas tem característica normativa.

Quer conhecer os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas publicados pelo Ministério da Saúde do Brasil?

 
 

AGREE II

A qualidade de uma diretriz clínica é avaliada segundo o relato do seu processo de elaboração.

Para que possa ser verificado se o processo de elaboração de uma diretriz clínica foi criterioso e transparente existem diversos instrumentos validados, sendo que o mais usado atualmente é o AGREE II.

Esse Instrumento é composto por 23 itens subdivididos em 6 domínios: escopo e finalidade (domínio 1), envolvimento das partes interessadas (domínio 2), rigor de desenvolvimento (domínio 3), clareza de apresentação (domínio 4), aplicabilidade (domínio 5) e independência editorial (domínio 6).

AGREE REX

Notas altas em uma avaliação empregando o instrumento AGREE II não garantem recomendações confiáveis e aplicáveis - não é possível assegurar a credibilidade e implementabilidade das recomendações pela análise do relato do processo de elaboração da diretriz clínica. Tampouco existe garantia para afirmar que uma diretriz de menor qualidade metodológica não possua recomendações confiáveis e implementáveis. Ou seja, um escore alto no AGREE II não prediz recomendações com acurácia e implementáveis em diferentes contextos.

Para suprir essa lacuna do conhecimento, a colaboração AGREE desenvolveu um complemento para o AGREE II, baseado em evidências, denominado Appraisal of Guideline for Research and Evaluation - Recomendations Excellence (AGREE-REX).

O AGREE-REX 

- possibilita a avaliação crítica das recomendações pelos desenvolvedores de diretrizes e usuários, verificando se as recomendações são aplicáveis de acordo com o contexto.

- considera que para uma recomendação apresentar qualidade e ser confiável, deve contemplar valores dos desenvolvedores das diretrizes clínicas e formuladores de políticas, além das preferências dos pacientes. 

AGREE II.png
Site Chronide.png

Tecnologias em Saúde

Tecnologia em saúde é um conceito amplo que consiste na aplicação de conhecimentos para promoção de saúde, prevenção e tratamento de doenças.

 

A tecnologia em saúde compreende desde medicamentos, exames diagnósticos e procedimentos médicos até sistemas organizacionais de apoio à saúde, programas e protocolos assistenciais.

Logo Nuts - Reduzido_edited.jpg

Avaliação de Tecnologias em Saúde

A ATS é vista como um processo multidisciplinar, que estuda as implicações clínicas e econômicas do desenvolvimento, da difusão e do uso das tecnologias em saúde, assim como implicações sociais e éticas

De forma geral, pode ser definida processo baseado em evidências que procura examinar as consequências da utilização de uma tecnologia de cuidados de saúde, considerando a assistência médica, social e questões econômicas e éticas.

A ATS visa obter subsídios científicos, éticos e econômicos para a tomada de decisão e manutenção da sustentabilidade dos serviços de saúde.

 

As evidências são obtidas através de estudos clínicos, estudos observacionais, revisões sistemáticas de estudos clínicos, avaliações econômicas e literatura cinzenta.

Ficou interessado? 

Conheça a Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde

 

CURSOS

haoc.png

CURSO INTRODUTÓRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE (ATS)

Período de inscrição: 02/03/2022 até 30/11/2023

Carga horária: 20 horas

Gratuito

Curso a distância

hcor.png

CURSO INTRODUTÓRIO DE POLÍTICAS INFORMADAS POR EVIDÊNCIAS

Período de inscrição: Não informado

Carga horária: 8 horas

Gratuito

Curso a distância

haoc.png

CURSO SISTEMA GRADE

Graduação da certeza no conjunto final da evidência e força de recomendação para tomada de decisão em saúde

Período de inscrição: 14/07/2022 às 14h até 30/11/2023 às 16h

Carga horária: 30 horas

Gratuito

Curso a distância

image-removebg-preview.png

SISTEMA GRADE - GRADUAÇÃO DA CERTEZA DA EVIDÊNCIA

Período de inscrição: 27/09/2021 até 30/11/2023

Carga horária: 20 horas

Gratuito

Curso a distância

 

Ferramentas

AGREE

A colaboração AGREE elabora documentos para avaliação do relato de diretrizes clínicas

PRISMA 2020

PRISMA é um conjunto mínimo de itens baseado em evidências para relato de revisões sistemáticas e metanálises
Ou acesse diretamente os documentos disponíveis:

MICROMEDEX

Drug Interections
Não sabe onde procurar sobre interações medicamentosas? O Micromedex possui uma plataforma de verificação de interações!

ROB 2.0

A ferramenta Risk of Bias 2.0 - ROB 2.0 é utilizada para avaliação do risco de viés de estudos clínicos randomizados
Ou baixe o documento:

ANVISA

Medicamentos
A Anvisa disponibiliza em seu website uma página destinada a consulta de registro e bula de medicamentos

ROBINS I

Ferramenta de avaliação do risco de viés de resultados de estudos clínicos não randomizados
Ou baixe o documento:

EQUATOR

Quer relatar seu estudo mas não sabe por onde começar? A EQUATOR Network oferece em seu site um compilado com diretrizes para relatos de diferentes tipos de estudo